Todos os posts de Carol Rocha

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante :)

Dedo podre, eu?

Entenda o que está por trás de suas (“más”) escolhas!

Com esse termo tenho certeza que todos nós estamos familiarizados, maaas o que muitos não sabem é o que está por trás de tudo isso.

Agora, se você está aqui pensando: “vou ler esse texto mas tenho certeza que não sou dedo podre, mesmo que eu só me relacione com estrupícios que não me dão o mínimo valor.” Saiba que eu também já passei por essa fase, mas calma miga, tem cura, vem comigo!

Há uns anos, estava eu, em um barzinho conversando com um amigo muito querido, explicando como mais uma vez tinha me decepcionado em uma relação que tinha chegado ao fim. Esse meu amigo, estava em um relacionamento de uns 5 anos na época, e eu estava numa fase bem desacreditada dos homens, eu acreditava que todos traiam e que nenhum prestava, mas esse meu amigo sempre me provou o contrário (assim como vários outros amigos), por isso eu amava conversar com ele. Papo vai, papo vem, ele me olhou e disse: “Nossa Cá, eu não entendo, você é bonita, é gente boa, por que será que tem esse dedo podre?” Nessa hora, eu quase cai pra trás. Eu? Dedo podre? Até parece! Afinal, os homens que não prestavam, eu não tinha responsabilidade sobre isso. Decidi mudar o assunto.


Naquela época eu não entendia direito o que estava acontecendo, mas hoje, eu percebo que essa é a primeira fase de uma dedo podre: A negação da realidade. Eu simplesmente não conseguia enxergar que pudesse haver algo de errado nas minhas escolhas. Eu achava que era normal, afinal se tratava de “homens”, né?
E ai você acha que depois dessa conversa com meu amigo, eu me toquei, tudo fez sentido na minha vida e eu comecei a terapia? NÃO. Continuei me envolvendo e quebrando a cara, e só uns 2 ANOS depois (acredite), eu comecei a perceber um padrão nos meus relacionamentos e que tinha algo de errado.

Bom, pra quem não sabe, apesar de ter mudado de profissão, eu sou bacharel em Sistemas de Informação, uma faculdade de exatas, e eu sempre fui muito analítica e racional, então vou ensinar uma equação muito simples, aproveita e faz a sua ai:

Ex: SE X+2=10       LOGO X=8   
Fácil, né? Agora levando pra vida real:
SE eu que escolhia os caras que eu me relacionava LOGO existia algo de errado nas MINHAS escolhas e a responsabilidade das minhas escolhas, era minha.
Parece muito simples, e é, mas poucas pessoas percebem isso

E a partir desse momento, as coisas começaram a fazer sentido.
Eu já estava exausta, não aguentava mais passar por decepções e frustrações, não aguentava mais chorar toda vez pelos mesmos motivos, eu percebi que precisava de alguma ajuda.
Então depois da negação, da raiva, da tristeza, veio a aceitação da responsabilidade por minhas escolhas. A partir do momento em que você assume responsabilidade por suas escolhas e para de culpar os outros, sua vida muda. Eu parei de falar: “não deu certo porque ele não quis”, “ele era isso, era aquilo”, e comecei a pensar como eu poderia mudar tudo isso. É claro que, existem diversos fatores numa relação, e eu acredito que seja 50% de responsabilidade pra cada, mas eu não podia negar o fato de viver um padrão, era sempre a mesma história, só mudavam os personagens.

E ai sim, comecei um processo profundo de autoconhecimento, fui procurar ajuda em livros, blogs, vídeos no youtube, e foi ai que ouvi falar sobre o ThetaHealing, na hora eu senti que era o que eu devia fazer, fiz uma sessão, e percebi uma mudança de percepção sobre as coisas. Eu gostei tanto desse assunto, que decidi fazer vários cursos, no começo era para me ajudar mas depois de um tempo comecei a atender e ajudar outras pessoas também 🙂

Mas sabe o que eu descobri que foi a grande virada de chave?
Que as nossas escolhas são baseadas nas nossas crenças, ou seja, você atrai aquilo que você acredita para confirmar suas crenças. A maioria das nossas crenças, são formadas na infância, tendemos a repetir os exemplos que vimos, por pura inconsciência mesmo. Na minha infância, eu sempre via muitas coisas ruins nos relacionamentos; abusos, brigas, conflitos, e isso me fez desenvolver vários tipos de medos, acabava escolhendo os sujeitos que estavam naquela mesma sintonia, e que estavam ali para confirmar o que eu acreditava sobre os homens e sobre relacionamentos.

AI SIM, entender isso mudou minha forma de me relacionar por isso, eu vou fazer meu jabá aqui, porque eu sei que pode ajudar muita gente, façam theeeeetahealing, meditação, peçam ajuda, procure algo que possa te dar uma luz sobre o que você está escolhendo pra sua vida nesse momento.

Sabe aquele amigo lá do início? Ele também me disse que eu não merecia passar por isso, hoje eu faço o trabalho que faço porque acredito que ninguém mereça passar por isso. Quero levar mais informação para o maior número possível de pessoas, pois você se cuidar e se amar em primeiro lugar, te permite dizer não para abusos, situações  e pessoas que querem apenas te sugar.

Mas lembra que é um  processo tá? Talvez você não acorde amanhã já fazendo boas escolhas, demora um pouco, mas eu garanto que é possível, se até eu consegui (com muitos traumas envolvidos), qualquer pessoa consegue. Isso significa que estou totalmente livre de nunca mais passar por essas coisas? Não posso afirmar. O que eu posso afirmar é que hoje eu sei escolher melhor com quem dividir minhas histórias, medos, anseios, e até mesmo minha vida. Talvez eu seja só uma dedo podre em processo de recuperação ou talvez eu já tenha superado isso 🙂

Ficou com alguma dúvida ou tem alguma sugestão? Deixa nos comentários.
Beijos, Carol ❤

#Thetahealing #terapia #meditação