Será que os homens também sentem?

Estava eu, conversando com uma amiga maravilhosa sobre os sentimentos masculinos e eu falei pra ela que eu tinha muita vontade de falar mais sobre isso, mas que talvez eu fosse massacrada pelas mulheres se começasse a falar. Ela simplesmente me olhou e disse palavras muito sábias: “Foda-se, isso que você me falou fez total sentido.” E eu pensei; quer saber? Foda-se mesmo, pra quem tiver que fazer sentido, vai fazer e pronto. Afinal, o blog ainda é meu, né? Hahah

Eu sempre me senti muito envolvida com o universo masculino. Quando eu era criança, eu amava videogame e miniaturas de carrinhos. Até hoje eu adoro jogar (apesar de fazer isso pouquíssimas vezes) e sou muito apaixonada por carros, consigo passar horas falando sobre isso (coisas que eram consideradas masculinas).
Quando eu decidi me formar em Sistemas de Informação (TI), também me vi em um ambiente majoritariamente masculino, e no mundo corporativo nem se fala, passei por empresas em que eu era a única mulher da equipe.
É claro que não foi nada fácil (mas não é sobre isso o post de hoje), mas ao mesmo tempo, foi uma experiência muito interessante, porque eu passei a observar como os homens se comportavam. E mesmo mudando de profissão, hoje, a maioria das pessoas que vem procurar meu trabalho, seja para fazer terapia, dicas de livros, meditação ou autoconhecimento, são homens! E isso me deixa muito feliz.

Comecei a perceber que os homens sentem sim, e muito! E que esses sentimentos são bem parecidos com os das mulheres; tristeza, autoestima baixa, inseguranças, medos, drama, raiva, rejeições, traumas, abusos, e por incrível que pareça homens sofrem com términos de relacionamentos também hehe. O que eu percebi é que eles não tinham espaço para demonstrar sua vulnerabilidade ou sequer falar sobre isso com outras pessoas. Eles precisavam manter uma pose, ser durões, aguentar firme, afinal, chorar ou demonstrar qualquer tipo de “fraqueza”, não é “coisa de homem”. Os pais (homens) não ensinam seus filhos a beijar ou abraçar outros homens, que eles podem fazer isso e continuar com sua heterossexualidade. Não ensinam que demonstrar afeto não irá te fazer menos homem, aliás, eles mal beijam os próprios filhos.
Fora todas aquelas frases: “para de frescura”, “vira homem”, “onde já se viu um homem chorando?”, “parece uma mulherzinha”, “bicha”.

Deu pra perceber porque nossa sociedade chegou ao limite que está hoje? Fomos programados para reprimir sentimentos, (homens e mulheres) e moldados por uma estrutura social e cultural totalmente distorcida. Focada numa baixa autoestima.

Infelizmente, pessoas que ferem, já se sentiram muito feridas. E ATENÇÃO AQUI: não estou falando que você tem que aguentar uma relação indigna, JAMAIS! Apenas oriente (se possível) a pessoa a procurar uma ajuda e vá cuidar de você. Você não é enfermeira, psicóloga nem terapeuta dele, é namorada/esposa/amiga, enfim, não troque os papéis.

A real é que tá todo mundo inseguro, assustado, com medo de se relacionar, com traumas, se sentindo rejeitado, não sabendo lidar com os probleminhas da cabeça, então vem cá, respira, conta até 3 e tamo junto, porque não é só com você.

Na minha opinião, a libertação das mulheres será possível através da libertação dos homens (um ajudando o outro, estamos no mesmo barco). Não é pelo ódio que iremos chegar à algum lugar. Foi o ódio por raças, gêneros, sexos que nos trouxe a essa crise existencial. O que causará a mudança no mundo é o amor, o acolhimento, a aceitação, o compreender, a empatia e a expansão da consciência.

Que fique bem claro aqui que eu não estou defendendo nenhum lado, esse é apenas o meu ponto de vista pois eu percebi que não estava falando mais para sexos e sim para seres humanos que sentem.

Para os homens: espero do fundo do meu coração que vocês consigam falar mais abertamente sobre esses assuntos nos seus grupos de amigos, trabalho, relacionamentos, família, e que tenham uma jornada linda!

CHEGA DE ESTABELECER PADRÕES SOBRE COMO HOMENS OU MULHERES DEVEM AGIR, NÃO FAÇA ASSIM, NÃO FAÇA ASSADO.
O padrão é ser você, é sentir, é integrar seu lado feminino e masculino, é amar, é viver, é ser livre!

Vou deixar aqui um documentário muito legal que fala sobre isso que eu gosto muito: O Silêncio dos homens. Vale super a pena!

Beijos, Carol <3  

2 comentários em “Será que os homens também sentem?”

Deixe uma resposta para Everton Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *