Dedo podre, eu?

Entenda o que está por trás de suas (“más”) escolhas!

Com esse termo tenho certeza que todos nós estamos familiarizados, maaas o que muitos não sabem é o que está por trás de tudo isso.

Agora, se você está aqui pensando: “vou ler esse texto mas tenho certeza que não sou dedo podre, mesmo que eu só me relacione com estrupícios que não me dão o mínimo valor.” Saiba que eu também já passei por essa fase, mas calma miga, tem cura, vem comigo!

Há uns anos, estava eu, em um barzinho conversando com um amigo muito querido, explicando como mais uma vez tinha me decepcionado em uma relação que tinha chegado ao fim. Esse meu amigo, estava em um relacionamento de uns 5 anos na época, e eu estava numa fase bem desacreditada dos homens, eu acreditava que todos traiam e que nenhum prestava, mas esse meu amigo sempre me provou o contrário (assim como vários outros amigos), por isso eu amava conversar com ele. Papo vai, papo vem, ele me olhou e disse: “Nossa Cá, eu não entendo, você é bonita, é gente boa, por que será que tem esse dedo podre?” Nessa hora, eu quase cai pra trás. Eu? Dedo podre? Até parece! Afinal, os homens que não prestavam, eu não tinha responsabilidade sobre isso. Decidi mudar o assunto.


Naquela época eu não entendia direito o que estava acontecendo, mas hoje, eu percebo que essa é a primeira fase de uma dedo podre: A negação da realidade. Eu simplesmente não conseguia enxergar que pudesse haver algo de errado nas minhas escolhas. Eu achava que era normal, afinal se tratava de “homens”, né?
E ai você acha que depois dessa conversa com meu amigo, eu me toquei, tudo fez sentido na minha vida e eu comecei a terapia? NÃO. Continuei me envolvendo e quebrando a cara, e só uns 2 ANOS depois (acredite), eu comecei a perceber um padrão nos meus relacionamentos e que tinha algo de errado.

Bom, pra quem não sabe, apesar de ter mudado de profissão, eu sou bacharel em Sistemas de Informação, uma faculdade de exatas, e eu sempre fui muito analítica e racional, então vou ensinar uma equação muito simples, aproveita e faz a sua ai:

Ex: SE X+2=10       LOGO X=8   
Fácil, né? Agora levando pra vida real:
SE eu que escolhia os caras que eu me relacionava LOGO existia algo de errado nas MINHAS escolhas e a responsabilidade das minhas escolhas, era minha.
Parece muito simples, e é, mas poucas pessoas percebem isso

E a partir desse momento, as coisas começaram a fazer sentido.
Eu já estava exausta, não aguentava mais passar por decepções e frustrações, não aguentava mais chorar toda vez pelos mesmos motivos, eu percebi que precisava de alguma ajuda.
Então depois da negação, da raiva, da tristeza, veio a aceitação da responsabilidade por minhas escolhas. A partir do momento em que você assume responsabilidade por suas escolhas e para de culpar os outros, sua vida muda. Eu parei de falar: “não deu certo porque ele não quis”, “ele era isso, era aquilo”, e comecei a pensar como eu poderia mudar tudo isso. É claro que, existem diversos fatores numa relação, e eu acredito que seja 50% de responsabilidade pra cada, mas eu não podia negar o fato de viver um padrão, era sempre a mesma história, só mudavam os personagens.

E ai sim, comecei um processo profundo de autoconhecimento, fui procurar ajuda em livros, blogs, vídeos no youtube, e foi ai que ouvi falar sobre o ThetaHealing, na hora eu senti que era o que eu devia fazer, fiz uma sessão, e percebi uma mudança de percepção sobre as coisas. Eu gostei tanto desse assunto, que decidi fazer vários cursos, no começo era para me ajudar mas depois de um tempo comecei a atender e ajudar outras pessoas também 🙂

Mas sabe o que eu descobri que foi a grande virada de chave?
Que as nossas escolhas são baseadas nas nossas crenças, ou seja, você atrai aquilo que você acredita para confirmar suas crenças. A maioria das nossas crenças, são formadas na infância, tendemos a repetir os exemplos que vimos, por pura inconsciência mesmo. Na minha infância, eu sempre via muitas coisas ruins nos relacionamentos; abusos, brigas, conflitos, e isso me fez desenvolver vários tipos de medos, acabava escolhendo os sujeitos que estavam naquela mesma sintonia, e que estavam ali para confirmar o que eu acreditava sobre os homens e sobre relacionamentos.

AI SIM, entender isso mudou minha forma de me relacionar por isso, eu vou fazer meu jabá aqui, porque eu sei que pode ajudar muita gente, façam theeeeetahealing, meditação, peçam ajuda, procure algo que possa te dar uma luz sobre o que você está escolhendo pra sua vida nesse momento.

Sabe aquele amigo lá do início? Ele também me disse que eu não merecia passar por isso, hoje eu faço o trabalho que faço porque acredito que ninguém mereça passar por isso. Quero levar mais informação para o maior número possível de pessoas, pois você se cuidar e se amar em primeiro lugar, te permite dizer não para abusos, situações  e pessoas que querem apenas te sugar.

Mas lembra que é um  processo tá? Talvez você não acorde amanhã já fazendo boas escolhas, demora um pouco, mas eu garanto que é possível, se até eu consegui (com muitos traumas envolvidos), qualquer pessoa consegue. Isso significa que estou totalmente livre de nunca mais passar por essas coisas? Não posso afirmar. O que eu posso afirmar é que hoje eu sei escolher melhor com quem dividir minhas histórias, medos, anseios, e até mesmo minha vida. Talvez eu seja só uma dedo podre em processo de recuperação ou talvez eu já tenha superado isso 🙂

Ficou com alguma dúvida ou tem alguma sugestão? Deixa nos comentários.
Beijos, Carol <3

#Thetahealing #terapia #meditação

É preciso aprender a desaprender para reaprender.

Umas das coisas que tenho notado nesse processo de autoconhecimento, é a necessidade que se faz em aprender a desaprender para reaprender. Comecei a perceber isso, quando entendi que muitas das coisas que eu acreditava e fazia, baseavam-se em condicionamentos que me foram impostos.
O que acontece é que nós raramente nos questionamos sobre as coisas. Achamos que se está assim é porque é assim e fim de papo, mas não é bem isso.

Para exemplificar melhor, quero te fazer uma pergunta:
Você acha que crianças são criativas, sonhadoras e imaginativas? Provavelmente sim, né?
E os adultos, são criativos,sonhadores e imaginativos?
Pode até ser que você conheça uns por ai que sim, mas são poucos (imagino eu). E você acha que os adultos já foram crianças? 🙂 Pois é!! O que será que aconteceu no meio do caminho então? Se nós éramos criativos,sonhadores e imaginativos, por que bloqueamos isso?

A verdade é que nós já nascemos fora da caixa, mas foram tantos condicionamentos que fomos colocados dentro dela.

O que eu acredito que aconteça, é que esses mesmos adultos não criativos que nos ensinaram a ser como eles, são filhos de outros adultos não criativos também. Fomos ensinados que trabalho é coisa séria, que adultos são sérios, sempre ocupados, na correria (e falam como se fosse algo bom) cheios de reuniões desnecessárias e problemas psicossomáticos. Já as crianças; são sonhadoras, criativas… Os adultos… Não! Precisam ser “pé no chão” ou “realistas”. É claro, não estou dizendo que não tenhamos que pensar nos nossos atos, ou sair fazendo coisas desenfreadamente sem pensar antes de agir. NÃO É ISSO, mas tudo é uma questão de aprender a equilibrar esses dois lados dentro de nós.

“O mundo se tornou adulto demais”

O Pequeno Príncipe.

Desaprendemos a amar, imaginar, sonhar… Por isso, precisamos aprender a desaprender, ou seja, aprender a retirar todos esses filtros que impedem que vejamos a nossa verdade, e reaprender sobre o que é ser criativo, sobre amar, sonhar, imaginar... E o lado bom da história, é que fica muita mais fácil aprender quando lá no fundo, você já sabe!

“Muito mais difícil do que lembrar, é esquecer”

Rubens Alves

É preciso enxergar as coisas com o mesmo olhar de uma criança quando está aprendendo algo novo; totalmente presente, interessada, atenta, sem julgamentos.

Vou recomendar alguns exercícios que me ajudaram muito nesse processo profundo dentro de mim:

1- Faça uma lista de 5 coisas que você amava fazer quando era criança.
2- Tente se lembrar o que te falaram quando você contou pra alguém sobre essas coisas.
3 – Observe como você se sente e o que deixou de fazer por conta de julgamentos externos.

Além também da meditação que me ajuda muito e claro, o thetahealing que vem pra quebrar várias crenças e bloqueios, recomendo muito o filme pra “O Pequeno Príncipe”. No filme, esse assunto é abordado de uma forma maravilhosamente profunda.

Espero que tenha ficado fácil de entender mesmo sabendo que se trata de um assunto complexo.

Deixa um comentário se isso faz sentido pra você.
Beijos, Carol. <3

5 coisas que ninguém te conta sobre morar sozinha(o)

Morar sozinha(o) não é nem de longe a tarefa mais fácil, mas o que mais me chamou atenção é que tudo que eu pensei que precisava saber, eu não precisava, e tudo que eu nem imaginava que precisa, eu tive que aprender.

Sabe aquelas coisas que a gente ouve falar por ai?: “Se você nem sabe cozinhar, como quer morar sozinha(o)?”, “Se você tem medo de matar barata, como quer morar sozinha(o)?”, “Você não lava nem seus pratos, não sobreviveria um dia morando sozinha(o)” Já ouviu alguma dessas frases ou similar? Eu ouvia todas e muito mais! Mas a real é que essas coisas se tornam apenas detalhes diante de tudo o que estava por vir, pois hoje, com google, dá pra se virar bem! Mas ninguém te fala sobre o outro lado da vida sozinha(o)! E é sobre isso que vamos falar

1- Tá realmente disposta(o) a assumir a responsabilidade?

Pois é, a vida quando se quer morar sozinha(o) se torna mais desafiadora. Todas as decisões são de sua responsabilidade. Mesmo que você ouça conselhos, a decisão continua sendo sua. Você tem que ir atrás de absolutamente tudo o que quiser fazer e é bom estar preparada(o) para os imprevistos que podem acontecer. É claro que, dependendo do seu caso, talvez você ainda possa contar com a ajuda de sua família, mas eu sempre tive uma coisa muito certa na minha cabeça: “Eu escolhi isso, eu irei arcar com a responsabilidade por mim mesma”. Não estou dizendo que a gente não pode pedir ajuda, claro que pode, e muitas vezes, até deve, mas isso não pode ser um hábito. Aprenda a resolver as coisas por si e arcar com as consequências de suas decisões.

2- Prepare-se emocionalmente para os dias de solidão e carência.

Esse tópico dava pra fazer um post só pra ele.
Tem dias (principalmente no começo) que a gente sente uma solidão enorme, é uma falta de nós mesmas(os) que parece que está faltando uma parte do nosso coração. Demorou pra eu entender a diferença entre solidão e solitude e como não deixar minha carência falar mais alto. Acabei por vezes me aproximando de pessoas que não me faziam bem, era só pura carência mesmo. Foi, e continua sendo um processo. Tem dias que da vontade de acordar e ter alguém ali, e tem dias que você ama acordar e estar só com os seus gatos. A vida é assim mesmo, aprenda a lidar com isso.

3- Aprenda a se organizar.

Minha musa inspiradora da organização! Marie Kondo <3

Eu nunca fui muito bagunceira, mas também não era muito organizada quando morava com minha vó, mas hoje eu sou a organizada da turma! E eu amo organização! Quero em breve fazer posts falando mais sobre isso.
E isso não significa que eu seja a chata, louca, e que na minha casa tá tudo sempre organizado. NÃO, mas isso significa que TUDO, TUDO tem seu devido lugar, mesmo que não esteja lá no momento. O grande segredo da organização é que ela tem que se expandir para outras áreas da sua vida, você precisa ter as contas organizadas, registros, papelada, enfim, tudo o que for necessário. E o mais importante: organização te faz ter mais TEMPO e tempo é a coisa mais valiosa que nós temos hoje.

4- Errar e continuar, mas nunca parar.

Você vai cometer tantos erros que as vezes vai se sentir a pessoa mais tapada do mundo, mas me escuta bem: tá tudo bem! Eles estão te moldando e te ajudando a crescer, então ao invés de ficar de mimimi, perceba o que está aprendendo e bola pra frente! Isso vai passar.

5- É menos assustador do que parece.

Eu nunca vou me esquecer de todos os medos que eu tinha sobre morar sozinha: “como vou me sustentar?”, “e se não der certo?”, “o que eu vou comer?”, “como vou sobreviver?”. E posso falar? Depois de um tempo, você percebe que nada disso acontece. Pra ser bem sincera, o seu maior monstro estará dentro da sua própria mente, você terá que aprender a lidar com ela pra não enlouquecer. Com planejamento, ação e boa vontade você consegue realizar muitas coisas. Não é um bicho de sete cabeças por mais que muitas pessoas tentem te convencer do contrário, a real é que como seres humanos, nós sempre daremos um jeito. Tudo o que eu citei aqui, foram habilidades que eu fui desenvolvendo e que você pode desenvolver também 🙂

Ficou com alguma dúvida ou quer ver algo novo por aqui? Me manda nos comentário, eu vou amar!

Beijos, Carol <3

Você ainda vai agradecer por não ter dado certo

Eu sei que muitas vezes idealizamos coisas, pessoas e situações que acabam nos decepcionando pois nem sempre saem da forma que a gente esperava. Como diria o querido Gasparetto: “Não é porque as coisas não estão acontecendo do jeito que você gostaria, que elas não estão dando certo”. Quero contar uma história que aconteceu na minha vida que vai ilustrar bem isso.

Eu estava fazendo estágio em TI, mas queria ir para uma nova empresa que tivesse mais desafios e oportunidades.
Um dia, recebi uma ligação para fazer uma entrevista de emprego em uma área que eu queria muito (redes). No dia da entrevista final, eu e o entrevistador estávamos em um papo super bacana, até que ele falou: “Poxa, adorei muito seu perfil, mas eu acho que essa área é mais para homens, né?” Eu fiquei muito surpresa, pensei que estava me candidatando a uma vaga em TI, e não a uma vaga em TI para homens. Acho que respondi algo do tipo: “Eu entendo que hoje existam mais homens nessa área, mas acredito que eu também possa fazer esse trabalho.” Depois disso, nem lembro mais o que ele falou, acho que estava tão chocada que apaguei da memória. Eu fui embora arrasada, nunca pensei que talvez não me contratariam por eu ser mulher em uma área dominada por homens. Voltei triste, desanimada e um pouco abalada, mas sabe o que eu fiz? Persisti mais ainda! Era o que eu queria e não importava o que aquele SER HUMANO DE LUZ (pra não falar outra coisa) me dissesse.

Um tempo depois, recebi uma ligação de uma outra empresa, falando sobre uns testes para uma vaga também na área de redes. A hora que cheguei para fazer os testes, tinha uns 10 homens para fazer também, eu logo pensei: “Não terei chances”, mas mesmo assim, fui lá e fiz, da melhor forma que eu podia fazer.
Passei nesses testes e fui selecionada para a etapa seguinte, e um tempo depois, recebi uma ligação falando que eu seria contratada! Foi uma sensação incrível, eu fui a primeira mulher a estagiar lá nessa área, e posso falar? Foi maravilhoso descobrir que, apesar de ter ficado muito chateada com o que tinha acontecido antes, eu não desisti do que eu queria, fui atrás e continuei mesmo que às vezes eu pensasse: “Talvez seja melhor escolher outra coisa”.

Claro que existiram diversos desafios dentro dessa empresa, não foi nada fácil no início, mas ao mesmo tempo, foi o lugar que eu mais cresci, mais aprendi, conheci pessoas incríveis, o salário era quase o dobro do que a empresa que não me contratou oferecia, era uma multinacional, e só depois eu parei pra pensar no quanto eu estava grata por não ter conseguido o outro estágio, é claro que eu não sei como teria sido lá (e agradeço por isso), mas eu amei exatamente como foi. Foi a empresa que eu fiquei por mais tempo, e tive o prazer de ouvir do meu chefe quando estava me efetivando que eu fui a melhor estagiária que havia passado por ali, que até ele ficou com receio no início de me contratar e eu não aguentar o tranco, mas ele se surpreendeu.

Muitas vezes, olhamos o que “perdemos” e não enxergamos o que ainda podemos conquistar. E podemos levar para diversas áreas da vida, já passei por isso em relacionamentos também, perdi as contas de pessoas que saíram da minha vida em um momento que eu queria muito que ficassem. Hoje, olhando pra trás eu penso: “Ainda bem que não deu certo”.
O universo sempre conspira a nosso favor. Muitas vezes, ele só quer nos dizer: “Tenho algo melhor pra você lá na frente, mas você ainda não consegue enxergar. Você confia em mim?” E é nessa hora que não vale a pena se apegar ao sofrimento, solta (de coração), confia! Confia que existirá um emprego que te realizará mais, confia que existirá um outro relacionamento (pessoas vem e vão), enxergue que nem sempre as coisas acontecerão da forma que a gente quer, e que tá tudo bem mesmo assim! É importante entender o tempo das coisas, e não to falando para deixar a Deus dará, mas entender que talvez não seja ali, não seja agora, não seja daquele jeito. Talvez seja muito melhor do que sua mente limitada pensou, continue em busca do que você quer!

Eu enfreitei muitos desafios na minha vida, pois eu sempre quis o que era certo pro meu coração, não importasse o quanto eu tivesse que me dedicar à isso. Eu sempre penso: “Queira o que é certo (pra você), não o que é fácil, se o fácil for o certo, melhor ainda.”

Espero que tenha feito sentido e que ressoe com muitas outras pessoas esse texto.
Por hoje é isso. Beijos, Carol <3

Pra quem tá com fome, qualquer migalha vira banquete.

Já ouviu a premissa de nunca ir com fome pro supermercado porque você vai gastar muito mais e tende a comprar alimentos não tão saudáveis? Eu mesma já fiz esse teste e é real, oficial.
Pensando nisso, e em algumas outras coisas que andei observando, decidi juntar umas histórias que ficaram na minha cabeça e montei esse post. Talvez no começo não faça muito sentido, mas prometo que você vai entender melhor.

Eu atendi uma moça que me falou que os relacionamentos dela não duravam muito, na verdade, nem começavam, e ela não entendia o que estava acontecendo. E ai, trabalhando algumas crenças e padrões, quando questionei sobre os últimos relacionamentos, ela me falou um discurso muito familiar. Eu já ouvi em vários atendimentos, de várias amigas e confesso que eu mesma já falei: “No começo, ele era maravilhoso, fazia tudo por mim, mas depois, se mostrou ser uma pessoa bem diferente”. Será que você já usou essa também? Pois é. Hoje, quando ouço isso, eu sempre fico me questionando: “Será que a pessoa ficou diferente ou você que não estava enxergando quem ela realmente era?”.

Eu sei que, no começo, é muito difícil entender qual é a da pessoa, somos tomados por aquela sensação de estar conhecendo alguém, aquele mistério, a novidade. Essas coisas são maravilhosas e ao mesmo tempo perigosas, pois são coisas que animam a gente e que podem nos cegar ao mesmo tempo. Acho que passamos a entender melhor quais são as intenções reais da pessoa depois que ela consegue aquilo que ela quer, independente do que seja: te seduzir, te levar pra cama, sentir que você se apaixonou, seja o que for. E aí é que tá, eu acho que é nesse momento que descobrimos como a pessoa quer se mostrar. SÓ QUE, nós temos uma tendência enorme de IDEALIZAR pessoas e não enxergar o que é REAL, o que está sendo mostrado ali, bem na nossa cara, com fonte arial black 512.

E aqui entra algo muito sutil; quando estamos envolvidas emocionalmente, dificilmente percebemos o outro como ele é.
A gente quer fingir que é aquela pessoa ideal, ou seja, que está no plano das nossas ideias. E ai o que fazemos?? Aceitamos migalhas. Por que? Porque estamos com fome de qualquer coisa. Não estamos escolhendo, estamos aceitando o que vem, mesmo que não seja o melhor pra gente. (Ai, essa doeu).

Por isso, é tão importante a gente se alimentar antes de exigir algo do outro, e isso significa: NUTRA-SE DE VOCÊ! Entenda o que te alimenta. O que é importante pra você? O que te satisfaz? Quais são seus valores? O que você não negocia de forma alguma? Tenha isso anotado se for preciso, faça isso para não aceitar qualquer porcaria jogada por ai. Quanto mais alimentada você estiver de você, menos você precisará de algo do outro, se vier vai ser para TRANSBORDAR, e não uma miséria de afeto que não tem solidez.

Não seja uma pedinte carente que aceita qualquer coisa que te oferecem, saiba escolher o que te nutre. A real é que ninguém curte pessoas que estão implorando por algo, isso não é nada atraente, e não adianta fingir, energia não mente!

Espero que tenha ficado clara a ideia aqui, depois vou comentar mais sobre isso lá no meu insta, @rochacarolyne.
Beeeeeijos, Carol <3

Voltando pro início do texto, não vá carente conhecer alguém, pois você vai investir seu tempo de forma desnecessária, está mais propícia a ter relações não saudáveis e ainda pode acabar trazendo porcaria calórica pra casa (também conhecido como estrupício). hahaha 

Apenas Palavras: Minha contribuição para a leitura.

Esses dias, eu estava dando uma pesquisada em projetos voluntários que envolvessem leitura, (sou uma grande adepta a leitura depois que comecei a perceber o quanto mudou minha vida) e o que mais me chamou atenção é que a maioria dos projetos envolvem crianças (o que é ótimo, representam o futuro do planeta e são fáceis de trabalhar). Mas eu fiquei pensando: se nós estamos educando essas crianças, é muito importante que também tenhamos esse hábito de introduzir cada vez mais a leitura no nosso dia-a-dia. E ai pensando nisso e no quanto meus amigos pedem indicações de livros, eu tive uma ideia; decidi criar um projeto que se chama Apenas Palavras para incentivar a leitura.

E como funciona esse projeto?
É tão simples que dá até gosto! Eu vou divulgar os livros que mais têm me ajudado nesse meu processo de desenvolvimento pessoal/ autoconhecimento/entender melhor a vida e explicar coisas do tipo: o que me motivou a ler esse livro, a maior lição que o livro me trouxe (aquele insight que clareou tudo!), talvez uma página marcante do livro, enfim vou deixar minha intuição me guiar! Ah, e de quebra ainda vou deixar um link de onde eu compro meus livros para que você possa comprar também 🙂 de nada!

Se você achar que esse livro bate com o que você quer no momento, é uma ótima oportunidade de se aprofundar mais nisso.

E tenho 3 observações super importantes:
1- Eu não empresto meus livros. Mas eu deixarei o link de onde você pode adquirir. <3

2- Eu não faço resumos! E não confunda resumo com resenha, são coisas diferentes. Não sou muito a favor de resumos pelo simples fato de que o autor já está passando a visão dele de uma forma resumida, e quando você lê um resumo, ele foi escrito por outra pessoa, então é meio que o resumo do resumo. É a visão com muito mais filtros. Nada contra quem lê resumos, mas esse não é meu método.

3- Não é porque estou recomendando um livro que eu concordo com 100% do que está lá, mas significa que tem um conceito que para mim, fez sentido, você precisa entender se faz sentido para você também.

Ahh, então isso significa que agora você precisa ler 3 livros por semana? Não. Nada em excesso faz bem, acho que isso pode até ser uma fuga da realidade também, tudo precisa de um equilíbrio, mas é necessário que leiamos mais, principalmente no Brasil, nossos índices de leituras são os um dos mais baixos que existem!

Você decide sempre o que é melhor, e qual a frequência que mais se encaixa no seu momento atual.

A leitura traz uma visão diferente sobre as coisas que talvez você não estava conseguindo enxergar.

Espero que sintam afinidade com os livros indicados. <3
Até as próximas leituras! Beijos, Carol.

#livros #autoconhecimento #apenaspalavras

#leiamais #livros #indicaçãodelivros #indicaçõesdelivros #euapoioaaleitura #lerfazbem

3 Coisas que aprendi na vida de nômade mirim

Eu fiz as contas, morei em umas 11 casas até meus 21 anos, e dos 13 anos que passei na escola, estudei em 7 escolas diferentes. Fiquei um pouco impressionada com esses números pois tenho amigos que moram na mesma casa desde que nasceram, então acho que me mudei bastante.
O que eu não sabia, era que tudo isso estava me preparando para a vida real e formando minha personalidade.

Eu me lembro que a coisa que eu mais odiava nessas mudanças, era que toda vez quando eu realmente estava fazendo amizades, era hora de mudar de novo. E então, aprendi a primeira lição:

1- NADA É ESTÁVEL.

Eu sei, eu sei, a gente está sempre em busca da tal da estabilidade, mas e se eu te falasse que ela não existe? E é bom tomar cuidado quando você deseja isso, porque tudo o que está estável, está imóvel, fixo, e se levarmos para a vida real, talvez esteja morto.

Eu confesso que fico um tanto quanto impressionada quando ouço alguém falando: “procuro uma vida estável” , “um trabalho estável”, “relacionamento estável”. Meu bem, se ninguém te falou, eu te darei essa notícia: não existe absolutamente NADA estável. Pare de procurar por garantias onde não existem. Não tem como garantir que aquele relacionamento dará “certo”, que aquele emprego será bom, mas você jamais saberá o que vai acontecer se você não tentar (isso eu garanto).

O que eu quero dizer aqui é que nada é fixo, a vida em si é movimento. Então, chega de querer eternizar coisas, pessoas, ambientes, trabalhos, pois nada é pra sempre. Tudo muda o tempo todo, aproveite enquanto puder! Saiba usufruir, mas jamais tenha o sentimento de posse. Lembre-se: “Isso também passará”.

A real estabilidade é saber lidar com as instabilidades.

Então se você está vivo, ao invés de querer uma vida estável, aprenda a lidar com seus sentimentos e as diversas situações instáveis que irão surgir no caminho. Isso te ajuda a enxergar o mundo de uma forma muito mais leve e mais preparado para enfrentar qualquer coisa. Quando a gente “acha” que está no controle, vem a vida e muda tudo. Já reparou?

AO INVÉS DE ESTABILIDADE, BUSQUE POR MATURIDADE EMOCIONAL, ISSO SIM SERÁ ÚTIL!

2- MUDAR PODE SER DOLOROSO, MAS É NECESSÁRIO.

Eu sei que pode ser muito doloroso escolher um novo caminho, mudar a rota, mudar de emprego, mudar de estado, mudar de país, aceitar que o relacionamento não está funcionando e até escolher parar de sofrer pode ser um grande desafio, porque nos acostumamos tanto com aquela situação, que mudar pode ser muito assustador. Mas eu te garanto, não existe nenhuma decisão que te leve para o próximo nível sem que você tenha que realizar mudanças.

O que nos assusta, é que mudança envolve reinvenção, adaptação, vulnerabilidade e coragem, e essas coisas podem carregar um grande desconforto. Não conseguir prever ou controlar o que vai acontecer deixa muita gente paralisada, mas quando treinamos nosso cérebro para se adaptar com as mudanças e perceber que nunca iremos prever ou controlar o que vai acontecer e que conseguimos controlar apenas nossas ações perante as diversas situações, tudo fica mais leve.

“Correr riscos nem sempre da resultados, mas nada nessa vida da resultado sem correr riscos”

Brené Brown.
Um bom exercício para identificar se você está aceitando bem as mudanças, é: 1- verificar todas as áreas da sua vida, qual seu grau de satisfação em cada uma delas? - dê uma nota de 0 - 10 - isso está bem relacionado com o quanto você precisa aceitar as mudanças. 2- Faça um panorama de como estava sua vida há 2 anos. Você cominua falando com as mesmas pessoas? O que mudou de mais impactante pra você? O que mudou no seu trabalho? E nos seus relacionamentos? Depois me fala o que você fez e como foi :). 

3- APROVEITE AS PESSOAS O MÁXIMO QUE PUDER.

Umas das coisas que aprendi também, é que eu precisava aproveitar o máximo possível as pessoas à minha volta, porque talvez não nos víssemos com tanta frequência mais (ou nunca mais nessa vida). Com o passar do tempo, percebi que isso me trouxe uma característica que eu precisei trabalhar em mim: Eu queria aproveitar ao máximo as pessoas, porém eu sempre tinha aquela sensação de: “poxa, talvez isso nem dure muito, então não vou me aprofundar em você, gostar de você, pra depois ter que ir embora”. Depois de muito tempo, percebi que eu ainda agia assim, pois foi a forma que me acostumei. Ainda é algo que venho trabalhando em mim, mudando para sentir aquela sensação de: “posso me aprofundar em você, mesmo que você vá embora, tá tudo bem” 🙂 (to em processo, não pense que é fácil). É como diz a letra daquela música maravilhosa que sempre tocam nos luaus: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar, na verdade não há”.

Aproveitando o gancho dessa música, tem uma outra parte que fala “[…] Já morei em tanta casa que nem me lembro mais…” (minha cara).
Espero que esses conselhos te ajudem a enxergar as coisas através de uma nova perspectiva. Isso tudo foi importante para mim e para minha evolução pessoal, se eu precisasse dar um conselho para uma pessoa muito querida, com certeza seriam esses.

Beijos Carol <3

#nomade #crianca #conselhos #mirim #nomademirim

ELA não está a fim de você. (Entenda os sinais)

Eu comecei escrevendo nesse post, os sinais que as mulheres dão quando geralmente não estão mais afim de alguém. Mas ai, eu percebi que o problema não estava nos sinais, mas sim na forma como nós nos expressamos (fora que eu não queria generalizar tanto). Foi então que eu decidi fazer diferente e mudar o post todo. Vou explicar como tudo começou…

Estava eu, conversando com meu grupinho de amigas e entramos no assunto do quanto é chato quando já demos todos os sinais possíveis e imagináveis de que não estamos mais afim de alguém, e mesmo assim, a pessoa continua insistindo. Mas ai, eu fiquei pensando: Por que ao invés de darmos sinais, não somos objetivas com a pessoa? Já reparou? Uma mulher dando um fora tenta ser o mais delicada possível (geralmente) mas a maioria não fala com todas as letras que não quer mais. Os homens por outro lado, (geralmente) preferem dar desculpas, sumir, ou ignorar, é como se eles não quisessem dar um fim, porque vaaaai que um dia precisa né?

E existe um motivo para que as pessoas não digam a verdade nua e crua que não estão mais interessadas. Elas preferem evitar o drama. Porque assim, no momento em que você olha para alguém e diz que não quer nada além, ou que na verdade só queria sexo (ou algo do tipo), você no fundo sabe que pode magoar aquela pessoa profundamente, então é muito mais cômodo fugir do que falar a verdade. Reflita ai, quantas vezes você já fugiu de uma situação só para não ter que encará-la?

Não estou dizendo que agora você precisa sair falando que só queria uma noite e nada mais, mas se você percebe que a pessoa ta bem afim e você nem tanto, não custa ser sincera(o) e falar: “Olha eu não to afim de ficar com você de novo”. Já é o suficiente. Se a pessoa ficar questionando o motivo, você não precisa ficar se explicando, pode ser que nem tenha um motivo e nem precisa ter, se nós não queremos, é isso que importa. Entendam que: NÃO IMPORTA O MOTIVO PELO QUAL UMA PESSOA NÃO TE QUER MAIS NA VIDA DELA, RESPEITE ESSA DECISÃO. Não tem coisa mais desagradável do que gente que insiste mesmo sabendo disso. E caso a outra pessoa continue insistindo e sendo invasiva; bloqueie.

Agora, se a pessoa mal te responde, te ignora, você chama pra sair e ela não vai e você continua insistindo, eu fico preocupadinha com você.
É importante observar o motivo pelo qual você continua insistindo em alguém que não está te priorizando e tão pouco valorizando sua companhia. Será que é um ego ferido daquela sua criança interior que se sentiu rejeitada(o)?
Se você perceber isso, eu recomendo, do fundo do meu coração, que você comece a trabalhar sua autoestima. Uma pessoa que continua insistindo em alguém que não se importa, é um sinal de baixa autoestima! E se isso for um padrão, se você percebe que se isso sempre acontece nos seus relacionamentos, recomendo muito o ThetaHealing para entender o por que de você estar nesse ciclo e ajudar a remover essas crenças. <3

Hoje, eu prefiro mil vezes falar a verdade e encarar as consequências, do que ficar enrolando a pessoa só para evitar explicações ou para ter alguém de “reserva”. Não seja a pessoa que só sabe inventar desculpas para não ver o outro, ou a que some, ou a que ignora deixando o outro com cara de ‘ué’. Afinal, estou escrevendo esse post para criancinhas ou para adultos? Bora praticar a auto responsabilidade? Passou da hora! Seja sincera(o), fale a verdade, comunique-se (de uma forma leve) e é óbvio que a pessoa pode ficar chateada (é um direito dela) mas não se sinta culpada(o) por isso. Nunca se esqueça que cada um está vivendo seu próprio aprendizado. E, posso falar? Com quem eu decidi ser sincera e abrir o jogo, ninguém ficou revoltado comigo, pelo contrário, super entenderam e falam comigo normalmente (se necessário). Sou a prova viva de que falar o que você sente, pode funcionar.

Claro que os sinais existem e acho que eu nem preciso falar quais são, a gente sabe quando uma pessoa não está mais afim (mesmo que a gente tente ignorar isso). Acredito que se aprendemos a falar, foi por algum motivo, então bora aprender a usar da melhor forma possível? 🙂

Beijos, Carol <3

A beleza de ser vulnerável.

Há uns meses, eu assisti a palestra da Brené Brown na Netflix que se chama: “The call of courage”, e aproveitei também para ver o TED dela: “The power of vulnerability“. Eu me apaixonei tanto por tudo que ela dizia, que assisti umas 3 vezes na mesma semana. Eu recomendo muuuuito! Ela é simplesmente maravilhosa! <3 E nesse post, vou tentar resumir o que EU entendi de tudo que foi passado ali.

O que é vulnerabilidade?

Acho que a primeira coisa que devemos entender é que vulnerabilidade não é fraqueza e que não existe vulnerabilidade sem impor limites. Na verdade, a melhor maneira de medir sua coragem é através da sua habilidade de ser pouco ou muito vulnerável.
Pois é, isso foi um tapa na cara pra mim, eu sempre associei ser vulnerável com fraqueza e que ninguém podia me ver sendo “fraca”, mas sabe por que é tão importante ser vulnerável? Porque só através da vulnerabilidade podemos experienciar o amor, alegria e o pertencimento. E é justamente o que viemos fazer nesse mundo! Amar!

“Vulnerabilidade não é ganhar nem perder, é ter coragem de se expor sem poder controlar o resultado.”

Quando não aceitamos a nossa vulnerabilidade, também negamos o amor, o pertencimento e a alegria. E pagamos um preço alto por isso. Somos biologicamente programados para criar conexões, está no nosso DNA. Porém, no mundo atual, a maioria das pessoas querem eliminar todos os riscos e anestesiar a vulnerabilidade, preferem nunca conhecer o real amor ao arriscar sofrer ou se magoar. Estão sempre na defensiva, com medo da entrega. “E se ele(a) me magoar?”, “E se não der certo?”, “E se eu sofrer?”. E sabe qual o remédio para todos esses questionamentos? Aceitar sua própria vulnerabilidade e correr o risco.

Vulnerabilidade é incerteza, riscos e exposição emocional.
E a pergunta que fica é: Você conhece algum ato de coragem que não envolva incerteza, correr riscos ou exposição emocional?

Não é lindo saber que não existe amor sem vulnerabilidade? Que nunca conseguiremos prever exatamente como o outro se comportará, não temos como obrigar alguém a ficar ou gostar da nossa companhia, não existem contratos prontos (por mais que busquemos garantias), não somos robôs, mas temos uma incrível capacidade para o amor se aceitarmos nossa própria vulnerabilidade. <3

Amar é ser vulnerável. É dar seu coração e dizer: Sei que posso me magoar, mas quero fazer isso. Quero ser vulnerável e amar você”

Beijos! Carol. <3

#vulnerabilidade #brenebrown #netflix #ted #youtube

5 Coisas que tornam qualquer homem (ou pessoa) mais atraente.

Ahhh como faz tempo que eu queria falar sobre isso. To dando de mão beijada um top 5 de ouro que acho que não vale só para os homens, mas para todas as pessoas. E sabe qual a melhor parte? Que não estou falando de aparência física e sim de comportamento, ou seja, qualquer um pode aprender! 🙂 E claro, a dica mais importante ficou no final.

1- Bom humor.

Com certeza esse é o meu top 1. Não tem coisa mais atraente do que uma pessoa que te faz sorrir. Você se sente incrível, viva, de quebra dá aquela trabalhada no abdômen, sai uma risada de porquinho, relaxa os músculos e por uns minutos parece que todos os problemas sumiram. A risada traz várias emoções positivas junto com uma explosão de hormônios. Mas atenção, estou me referindo àquele bom humor saudável, e não quando um ri e o outro se sente ofendido ou humilhado. Ficar rindo dos outros ou fazer fofocas, também não entra nesse quesito, isso se chama sarcasmo, não tem nada a ver com bom humor!

2- Inteligência.

Muitas pessoas associam a inteligência com lógica/matemática, mas para mim, vai muito além disso. Existem vários tipos de inteligências, e no dicionário, inteligência significa: capacidade de compreender e resolver novos problemas e conflitos e de adaptar-se a novas situações.
Uma pessoa inteligente é aquela que busca aprender e se aprofundar mais e mais em si. Que sabe que o aprendizado é eterno e que o estudo não acaba junto com a escola. Nem preciso citar que pessoas que leem tem um lugar especial no meu coração né? <3

3- Gentileza

Tá aí uma característica que é muito relevante para mim. Aquele que trata os outros bem, com respeito, gentileza e educação, com certeza aprendeu como funciona o jogo da vida. Durante nossa caminhada, precisamos de pessoas ao nosso lado pois é impossível fazer tudo sozinho (a). E tratar os outros bem, é o mínimo que devemos fazer. Relacionar-se com os outros é uma troca e devemos entender e respeitar isso. Eu não suporto gente grosseira e estúpida com os outros só por achar que aquela pessoa é “inferior”. Se ninguém te contou ainda, preciso contar: no fim das contas, todos vamos para o mesmo lugar!

4- Saber se cuidar.

Saber se cuidar não demonstra que você é “menos homem” (sim, em pleno 2019 eu tenho que falar isso), mas sim, que você sente carinho pelo seu corpo, pele e mente. Aqui entra aqueles homens que cuidam bem da alimentação, passam um creme de vez em quando (ou sempre <3), andam limpos, roupa bem lavada, cheirosos hahaha (adoro, melhor parte) sabe cuidar da mente também (meditam, leem, fazem cursos…) Tudo isso demonstra o quanto ele respeita o corpo e sua própria evolução. Mais um que tem um lugar especial aqui <3.

5- Postura

Além da linguagem corporal que é muito importante, afinal se você ficar de cabeça baixa, ombros caídos, olhando pro chão, isso não é algo atraente de forma alguma e o seu corpo FALA. Então, preste atenção na postura. Além disso, saber o que falar e como falar conta muito. Eu sei q as vezes fazemos papel de “bobo” e mesmo assim está tudo bem, é até muito bom ser espontâneo! Ganha vários pontos! E eu não quero dizer que você precisa ficar o tempo todo pensando no que vai falar, mas é importante saber fazer isso sem magoar o outro ou causar algum transtorno. Sei que às vezes pode ser desafiador, mas tudo é uma questão de treino 🙂

E tem uma dica EXTRA e a MAIS IMPORTANTE:

*Prestar atenção genuína no outro*.

Se tem alguém com você, conversando, trocando ou compartilhando informações, se conecte com essa pessoa genuinamente, pois ela está compartilhando com você a coisas mais importante que temos hoje: o tempo. Então, preste atenção no que ela fala, EVITE mexer no celular, isso é uma forma inconsciente de fugir do assunto e como linguagem corporal demonstra que você não está tão interessado assim no que a pessoa está falando naquele momento. Então bora encarar as coisas sem recorrer à muletas?

E claro, a coisa mais importante de tudo o que eu disse: não tenha medo de ser quem você é. Se a pessoa quiser ficar com você é ótimo e se ela não quiser, é ótimo pra você também. Queira ao seu lado quem quer ficar por você ser você.

Tudo que citei aqui são minhas observações e opiniões pessoais, se você acha que tem mais alguma coisa que não coloquei aqui, comenta aqui, me conta que eu vou amar saber e quem sabe fazer a parte 2 desse post! <3
Beijos, Carol!

Vida leve de forma criativa :)