Arquivo da tag: meditação

6 Dicas para você não ENLOUQUECER de vez

[Quer ouvir essa matéria? Meu podcast no SPOTIFY.]

Verdade seja dita, estamos passando por um momento super delicado na história da humanidade e precisamos continuar cuidando da nossa cabeçinha pra não pirar de vez.
NÃO PODEMOS IGNORAR O QUE ESTÁ ACONTECENDO, ASSIM COMO NÃO PODEMOS NOS DESESPERAR.
Na verdade, acho que já estamos enlouquecendo pouco a pouco, mas a maioria disfarça super bem :).
Pra tornar esse processo mais tranquilo, vou colocar 6 dicas de coisas que podem ajudar:

1 – FILTRE INFORMAÇÕES

Cuidado com os excessos. Existem muuuitas informações circulando e fica cada vez mais difícil saber o que é verdade e o que não é, em quem podemos confiar e em quem não podemos. Eu sugiro que vocês busquem informações de pessoas que vocês confiam MUITO; médicos, especialistas, OMS, ministério da saúde, enfim, fontes seguras. Não confie apenas em um áudio que alguém mandou no whatsapp falando sobre o assunto. E muito mais importante do que saber o que filtrar é saber o que compartilhar. CUIDADO ao repassar informações falsas. Eu sei que muitas vezes você tem uma boa intenção, mas pode acabar causando um pânico desnecessário em outras pessoas.

2 – Tenha uma rotina matinal gostosinha

Caso você tenha o privilégio de estar em casa (sei que muitos não conseguirão), aproveita para ter uma rotina produtiva, até pra não sair do ritmo, sabe? O que você gosta de fazer? Gosta de ler, estudar, meditar, fazer yoga, tomar um café da manhã com calma? Veja o que te faz bem e faça. Evite pegar o celular logo pela manhã e se conectar com o mundo ou ligar a TV.
Primeiro, faça as coisas que te fazem bem, depois veja o que está acontecendo no mundo, isso já faz uma diferença enorme na nossa saúde mental.
A minha rotina inclui: journaling, agradecer, fazer perguntas, yoga, meditação e leitura. Só depois que eu faço isso eu me conecto com o mundo.
Veja o que te faz bem e mãos na massa!

3- Aprenda uma coisa nova

Coloque seu cérebro pra funcionar. Saia um pouco dessa imersão de notícias (e não estou dizendo para ignorá-las) e faça coisas diferentes. Tem algum curso online que você pagou e nem fez? Tem cursos gratuitos que você se interessa? Um idioma? Uma mudança na casa?
Se você estiver com sua família, procurem fazer algo divertido, diferente e super legal. Aproveitem esse momento juntos.

4 – Fique um tempo OFF.

Tire um tempinho para ficar totalmente off. Sério, desliga de redes, de tv, de rádio, vai fazer um exercício, ler, respirar profundamente, meditar, fazer nada. Escolha algo pra fazer e determine um tempo para ficar off. Se precisar de ajuda, recomendo o app Forest, nele você cria uma florestinha e você vai plantando suas árvores. Caso você mexa no celular antes do tempo que você estipulou, você mata sua árvore 🙁 não queremos isso, né?
Tenha essas lacunas com um tempo off pra você não pirar.

5 – Mantenha contato com seus amigos e familiares

A gente fica afastado das pessoas que a gente ama e isso pode causar um sentimento de vazio e incertezas por dentro.
Se você mora sozinho, assim como eu, isso pode ser muito mais intenso. Mas, se isso te conforta, saiba que estamos todos no mesmo barco, estamos todos passando por essa transformação planetária, estamos todos quebrando, estamos todos renascendo, reavaliando, sorrindo, chorando… Então, compartilhe com as pessoas que você gosta seus sentimentos, estamos todos em um momento de muita vulnerabilidade. Porém, não se esqueça de que é necessário olhar pra dentro.

6 – Medite

A meditação pode ajudar muito a conter essa ansiedade, esse medo e a estar mais presente. Ajuda também a lidar melhor com essas situações em que não temos nenhum controle e a nos prepararmos para o que está por vir. Vou deixar um post aqui do blog falando sobre Mindfulness escrito pelo Pedro. Clica lá que tem mais detalhes dos benefícios da meditação.

Espero que essas dicas ajudem e nunca se esqueça de que a vida é um ciclo, é movimento, não controle. Isso vai passar!

Beijos, Carol <3

Mindfulness – Atenção Plena

Já perceberam como fazemos muitas de nossas atividades inconscientemente, no piloto-automático, sem nenhuma atenção? Quantas vezes não nos atentamos na beleza do dia-a-dia simplesmente porque estamos muito estressados e preocupados com o trabalho ou com dívidas? Já procuraram prestar atenção durante o almoço, no mastigar de nossa comida? Na água do chuveiro que cai sobre o nosso corpo durante uma ducha? Nas sensações geradas ao mastigar um pedaço de chocolate, ao sentir ele derretendo na nossa boca? Já experimentou dirigir o carro com total atenção?
É sobre essas práticas e outras formas de meditação de atenção plena que este livro trata.

Esta meditação é uma prática originada no oriente que tem como objetivo concentrar nossa atenção na respiração procurando observar a nossa mente sem julgamentos. Também permite-nos, com o tempo, ficarmos mais conscientes de nossos pensamentos, observando-os aparecerem de repente e desaparecerem como uma bolha de sabão. Começamos a perceber nossos pensamentos e começamos a retomar o controle de nossas vidas.

Os autores Mark Williams e Danny Penman propõe que executemos um programa de 8 semanas de prática das meditações de atenção plena que estão disponibilizadas nesse link: atenção plena. O programa é composto por 8 meditações que englobam a observação do corpo, alongamento,  auto-estima (no sentido de vermos a nós mesmos como amigos íntimos), observação das nossas emoções e percepção do ambiente que nos rodeia.

O livro nos traz várias conclusões cientificamente comprovadas:

Estudos mostram que os meditadores regulares são mais felizes e mais satisfeitos do que a média das pessoas. Esses resultados têm uma importante repercussão na saúde, já que as emoções positivas estão associadas a uma vida mais longa e saudável.A ansiedade, a depressão e a irritabilidade diminuem com sessões regulares de meditação. A memória melhora, as reações se tornam mais rápidas e o vigor mental e físico aumenta.
Os meditadores regulares têm relacionamentos melhores e mais gratificantes.
Estudos feitos no mundo todo comprovam que a prática da meditação reduz os principais indicadores do estresse crônico, incluindo a hipertensão.
A meditação é eficaz também para reduzir o impacto de doenças graves, como dor crônica e câncer, podendo até auxiliar no combate à dependência de drogas e álcool.
Além disso, pesquisas indicam que a meditação fortalece o sistema imunológico, ajudando a combater resfriados, gripe e outras doenças.

O seguinte quadro, retirado do livro, ilustra a forma como os sentimentos, impulsos, sensações físicas e pensamentos se influenciam entre si e podem causar o ciclo vicioso que nos prendem à obsessões, estresse, ansiedade e até depressão.

Também são dados vários exemplos de pessoas que estavam em situações de depressão, ansiedade e estresse profundo e que, através da meditação conseguiram alcançar um estado de paz, saúde e maior consciência em suas vidas devido a consciência deste ciclo.
Gostaria de exemplificar este quadro com dois episódios que aconteceram numa fase muito recente da minha vida.

Há alguns anos, minha vó veio morar conosco e passamos por vários momentos de estresse, mas acredito que o mais crítico foi quando ela caiu da cama e ficou presa no vão entre a cama e a parede do meu quarto que é bem apertado. Este episódio causou uma crise de ansiedade em mim naquela noite que jamais tinha experienciado na minha vida, fiquei pensando que ela poderia cair novamente, fiquei imaginando a sensação claustrofóbica que ela sentiu ao ficar presa, fiquei me culpando por ela estar em um local tão apertado, e fiquei remoendo esses sentimentos num redemoinho mental sem fim ao ponto que minha respiração e minha frequência cardíaca aumentou até que, em um momento de lucidez, pensei: “Espere aí! Isto não é real! Preste atenção na sua respiração: Isto é o agora!” e, aos poucos consegui me acalmar e dormir novamente.

Após a morte da minha vó, tive um período de melancolia, me sentindo com remorso por todas as coisas que acabei deixando de fazer para ela, remoendo tudo o que eu poderia ter feito melhor para conseguir melhorar a qualidade de vida dela, acabei querendo culpar meus pais e minha irmã por tudo o que ela passou e até um sentimento de vingança me veio, mas com o acompanhamento psicológico, thetahealing e leituras cheguei à conclusão que todos esses sentimentos angustiantes e tristes fazem partes da fase de depressão do luto e aprendi a ficar mais presente através de algumas práticas de meditação, o que tem me ajudado a não cair no ciclo vicioso de pensamentos nocivos (de fato ainda estou aprendendo).

É claro que estes dois episódios podem não parecer nada para muitas pessoas que estão em estado crônico de depressão e ansiedade, mas gostaria de compartilhar a reflexão que tirei dessas situações: a solução para sair da depressão (pensamento excessivo sobre o passado) ou para sair da ansiedade (pensamento excessivo sobre o futuro) é o exercício da atenção plena no momento presente. Este livro mostra diversas comprovações científicas de que a prática regular auxilia no combate à depressão tanto quanto os medicamentos antidepressivos, ou até melhor uma vez que não tem efeitos colaterais.

Por fim, gostaria de compartilhar a meditação de um minuto que o livro oferece e que pode ser feita a qualquer momento do dia em que estivermos nos sentindo capturados pelo estresse ou nervosos por causa de algo que está acontecendo ao nosso redor:

Meditação de um minuto

  1. Sente-se ereto em uma cadeira com encosto reto. Se possível, afaste um pouco as costas do encosto da cadeira para que sua coluna vertebral se sustente sozinha. Seus pés podem repousar no chão. Feche os olhos ou abaixe o olhar.
  1. Concentre a atenção em sua respiração enquanto o ar flui para dentro e para fora de seu corpo. Perceba as diferentes sensações geradas por cada inspiração e expiração. Observe a respiração sem esperar que algo de especial aconteça. Não há necessidade de alterar o ritmo natural.
  1. Após alguns instantes, talvez sua mente comece a divagar. Ao se dar conta disso, traga sua atenção de volta à respiração, suavemente. O ato de perceber que sua mente se dispersou e trazê-la de volta sem criticar a si mesmo é central para a prática da meditação da atenção plena.
  1. Sua mente poderá ficar tranquila como um lago – ou não. Ainda que você obtenha uma sensação de absoluta paz, poderá ser apenas fugaz. Caso se sinta irritado ou entediado, perceba que essa sensação também deve ser fugaz. Seja lá o que aconteça, permita que seja como é.
  1. Após um minuto, abra os olhos devagar e observe o aposento novamente.

Acredito que este artigo é uma conclusão para os 3 últimos que fiz, pois todos tratam da auto-observação, busca pela paz interior e felicidade. O programa é um verdadeiro desafio e demanda muita auto-disciplina. Sinceramente eu ainda não consegui seguir à risca o programa completo durante as 8 semanas, mas proponho praticarmos juntos para alcançarmos maior paz interior e conseguirmos acalmar e silenciar cada vez mais o barulho mental. Desejo de coração que você possa alcançar maior alegria, paz e saúde na sua vida.

Pedro Cruz.

#meditação #meditacao #atencaoplena #atençãoplena #mindfulness #ansiedade #depressão

Dedo podre, eu?

Entenda o que está por trás de suas (“más”) escolhas!

Com esse termo tenho certeza que todos nós estamos familiarizados, maaas o que muitos não sabem é o que está por trás de tudo isso.

Agora, se você está aqui pensando: “vou ler esse texto mas tenho certeza que não sou dedo podre, mesmo que eu só me relacione com estrupícios que não me dão o mínimo valor.” Saiba que eu também já passei por essa fase, mas calma miga, tem cura, vem comigo!

Há uns anos, estava eu, em um barzinho conversando com um amigo muito querido, explicando como mais uma vez tinha me decepcionado em uma relação que tinha chegado ao fim. Esse meu amigo, estava em um relacionamento de uns 5 anos na época, e eu estava numa fase bem desacreditada dos homens, eu acreditava que todos traiam e que nenhum prestava, mas esse meu amigo sempre me provou o contrário (assim como vários outros amigos), por isso eu amava conversar com ele. Papo vai, papo vem, ele me olhou e disse: “Nossa Cá, eu não entendo, você é bonita, é gente boa, por que será que tem esse dedo podre?” Nessa hora, eu quase cai pra trás. Eu? Dedo podre? Até parece! Afinal, os homens que não prestavam, eu não tinha responsabilidade sobre isso. Decidi mudar o assunto.


Naquela época eu não entendia direito o que estava acontecendo, mas hoje, eu percebo que essa é a primeira fase de uma dedo podre: A negação da realidade. Eu simplesmente não conseguia enxergar que pudesse haver algo de errado nas minhas escolhas. Eu achava que era normal, afinal se tratava de “homens”, né?
E ai você acha que depois dessa conversa com meu amigo, eu me toquei, tudo fez sentido na minha vida e eu comecei a terapia? NÃO. Continuei me envolvendo e quebrando a cara, e só uns 2 ANOS depois (acredite), eu comecei a perceber um padrão nos meus relacionamentos e que tinha algo de errado.

Bom, pra quem não sabe, apesar de ter mudado de profissão, eu sou bacharel em Sistemas de Informação, uma faculdade de exatas, e eu sempre fui muito analítica e racional, então vou ensinar uma equação muito simples, aproveita e faz a sua ai:

Ex: SE X+2=10       LOGO X=8   
Fácil, né? Agora levando pra vida real:
SE eu que escolhia os caras que eu me relacionava LOGO existia algo de errado nas MINHAS escolhas e a responsabilidade das minhas escolhas, era minha.
Parece muito simples, e é, mas poucas pessoas percebem isso

E a partir desse momento, as coisas começaram a fazer sentido.
Eu já estava exausta, não aguentava mais passar por decepções e frustrações, não aguentava mais chorar toda vez pelos mesmos motivos, eu percebi que precisava de alguma ajuda.
Então depois da negação, da raiva, da tristeza, veio a aceitação da responsabilidade por minhas escolhas. A partir do momento em que você assume responsabilidade por suas escolhas e para de culpar os outros, sua vida muda. Eu parei de falar: “não deu certo porque ele não quis”, “ele era isso, era aquilo”, e comecei a pensar como eu poderia mudar tudo isso. É claro que, existem diversos fatores numa relação, e eu acredito que seja 50% de responsabilidade pra cada, mas eu não podia negar o fato de viver um padrão, era sempre a mesma história, só mudavam os personagens.

E ai sim, comecei um processo profundo de autoconhecimento, fui procurar ajuda em livros, blogs, vídeos no youtube, e foi ai que ouvi falar sobre o ThetaHealing, na hora eu senti que era o que eu devia fazer, fiz uma sessão, e percebi uma mudança de percepção sobre as coisas. Eu gostei tanto desse assunto, que decidi fazer vários cursos, no começo era para me ajudar mas depois de um tempo comecei a atender e ajudar outras pessoas também 🙂

Mas sabe o que eu descobri que foi a grande virada de chave?
Que as nossas escolhas são baseadas nas nossas crenças, ou seja, você atrai aquilo que você acredita para confirmar suas crenças. A maioria das nossas crenças, são formadas na infância, tendemos a repetir os exemplos que vimos, por pura inconsciência mesmo. Na minha infância, eu sempre via muitas coisas ruins nos relacionamentos; abusos, brigas, conflitos, e isso me fez desenvolver vários tipos de medos, acabava escolhendo os sujeitos que estavam naquela mesma sintonia, e que estavam ali para confirmar o que eu acreditava sobre os homens e sobre relacionamentos.

AI SIM, entender isso mudou minha forma de me relacionar por isso, eu vou fazer meu jabá aqui, porque eu sei que pode ajudar muita gente, façam theeeeetahealing, meditação, peçam ajuda, procure algo que possa te dar uma luz sobre o que você está escolhendo pra sua vida nesse momento.

Sabe aquele amigo lá do início? Ele também me disse que eu não merecia passar por isso, hoje eu faço o trabalho que faço porque acredito que ninguém mereça passar por isso. Quero levar mais informação para o maior número possível de pessoas, pois você se cuidar e se amar em primeiro lugar, te permite dizer não para abusos, situações  e pessoas que querem apenas te sugar.

Mas lembra que é um  processo tá? Talvez você não acorde amanhã já fazendo boas escolhas, demora um pouco, mas eu garanto que é possível, se até eu consegui (com muitos traumas envolvidos), qualquer pessoa consegue. Isso significa que estou totalmente livre de nunca mais passar por essas coisas? Não posso afirmar. O que eu posso afirmar é que hoje eu sei escolher melhor com quem dividir minhas histórias, medos, anseios, e até mesmo minha vida. Talvez eu seja só uma dedo podre em processo de recuperação ou talvez eu já tenha superado isso 🙂

Ficou com alguma dúvida ou tem alguma sugestão? Deixa nos comentários.
Beijos, Carol <3

#Thetahealing #terapia #meditação

É preciso aprender a desaprender para reaprender.

Umas das coisas que tenho notado nesse processo de autoconhecimento, é a necessidade que se faz em aprender a desaprender para reaprender. Comecei a perceber isso, quando entendi que muitas das coisas que eu acreditava e fazia, baseavam-se em condicionamentos que me foram impostos.
O que acontece é que nós raramente nos questionamos sobre as coisas. Achamos que se está assim é porque é assim e fim de papo, mas não é bem isso.

Para exemplificar melhor, quero te fazer uma pergunta:
Você acha que crianças são criativas, sonhadoras e imaginativas? Provavelmente sim, né?
E os adultos, são criativos,sonhadores e imaginativos?
Pode até ser que você conheça uns por ai que sim, mas são poucos (imagino eu). E você acha que os adultos já foram crianças? 🙂 Pois é!! O que será que aconteceu no meio do caminho então? Se nós éramos criativos,sonhadores e imaginativos, por que bloqueamos isso?

A verdade é que nós já nascemos fora da caixa, mas foram tantos condicionamentos que fomos colocados dentro dela.

O que eu acredito que aconteça, é que esses mesmos adultos não criativos que nos ensinaram a ser como eles, são filhos de outros adultos não criativos também. Fomos ensinados que trabalho é coisa séria, que adultos são sérios, sempre ocupados, na correria (e falam como se fosse algo bom) cheios de reuniões desnecessárias e problemas psicossomáticos. Já as crianças; são sonhadoras, criativas… Os adultos… Não! Precisam ser “pé no chão” ou “realistas”. É claro, não estou dizendo que não tenhamos que pensar nos nossos atos, ou sair fazendo coisas desenfreadamente sem pensar antes de agir. NÃO É ISSO, mas tudo é uma questão de aprender a equilibrar esses dois lados dentro de nós.

“O mundo se tornou adulto demais”

O Pequeno Príncipe.

Desaprendemos a amar, imaginar, sonhar… Por isso, precisamos aprender a desaprender, ou seja, aprender a retirar todos esses filtros que impedem que vejamos a nossa verdade, e reaprender sobre o que é ser criativo, sobre amar, sonhar, imaginar... E o lado bom da história, é que fica muita mais fácil aprender quando lá no fundo, você já sabe!

“Muito mais difícil do que lembrar, é esquecer”

Rubens Alves

É preciso enxergar as coisas com o mesmo olhar de uma criança quando está aprendendo algo novo; totalmente presente, interessada, atenta, sem julgamentos.

Vou recomendar alguns exercícios que me ajudaram muito nesse processo profundo dentro de mim:

1- Faça uma lista de 5 coisas que você amava fazer quando era criança.
2- Tente se lembrar o que te falaram quando você contou pra alguém sobre essas coisas.
3 – Observe como você se sente e o que deixou de fazer por conta de julgamentos externos.

Além também da meditação que me ajuda muito e claro, o thetahealing que vem pra quebrar várias crenças e bloqueios, recomendo muito o filme pra “O Pequeno Príncipe”. No filme, esse assunto é abordado de uma forma maravilhosamente profunda.

Espero que tenha ficado fácil de entender mesmo sabendo que se trata de um assunto complexo.

Deixa um comentário se isso faz sentido pra você.
Beijos, Carol. <3