Arquivo da tag: hbr

Estamos vivendo um luto antecipado?

[TÁ COM PREGUIÇA DE LER? Ouça meu podcast no SPOTIFY]

Eu sei que esse termo ‘luto’ tem um peso gigante culturalmente para nós, pois enxergamos a morte como um fim e não como uma transformação.
O luto que quero falar aqui, é mais relacionado com o SENTIMENTO que ele carrega, do que com as mortes em si, apesar de vermos pessoas morrendo no mundo inteiro, o que reforça ainda mais esse sentimento.

Estamos todos lidando com a mesma situação; para cada um ela vai se revelar de uma forma diferente. O macro vem para nos mostrar o micro de cada um, precisamos estar dispostos a olhar para isso.

Eu fiquei pensando sobre tudo o que tem acontecido e observando como cada pessoa tem reagido a isso. Eu tive várias fases durante esse processo e teve um momento em que pensei: eu acho que estou passando por um processo de luto.
Eu sei que algumas pessoas podem achar isso um completo exagero, mas talvez seja porque elas não saibam quais são as fases do luto.
Primeiro, eu analisei tudo o que estava acontecendo comigo e comecei a perceber que algumas pessoas compartilhavam desse mesmo sentimento. Até que li um artigo no Harvard Business Review em uma entrevista com David Kessler – especialista em luto, em que ele fala que a sensação é que estamos vivendo um luto antecipado, é como se recebêssemos a notícia de que alguém muito próximo está muito doente e que algo pode acontecer a qualquer momento.

Eu vou resumir o que eu entendi sobre esse artigo e como eu senti que as coisas aconteceram para mim. É importante ressaltar que não é uma ordem linear e que talvez você não passe por todas essas fases.

1 – NEGAÇÃO

Aqui entram aquelas pessoas que ainda teimam em aceitar a realidade. Sabe aqueles que dizem que nada está acontecendo? Que isso vai acabar daqui 1 semana? Pois é. Eu me encontrei nesse estágio há uns 2 meses. Até então, não entendia direito o que estava acontecendo, e nós temos o costume de ‘afastar’ tudo aquilo que não queremos ver ou sentir. Isso é negação.

2 – RAIVA

Por essa fase eu também passei! Quando eu percebi o quanto ficar em casa era importante, eu comecei a tentar “obrigar” todas as pessoas a ficarem em casa, (todas que eu sabia que podiam, claro!) Até que eu me toquei que eu não podia forçar ninguém a nada e que tava tudo bem cada um decidir o que fazer da própria vida, mesmo que, na minha opinião, estivessem afetando todas as outras pessoas. Eu tive que primeiro trabalhar em mim, essa mania de querer controlar tudo, para enfim, aceitar que tem coisas que eu realmente não posso mudar.

3 – NEGOCIAÇÃO

Esse é aquele processo em que a gente diz: “Então tudo bem, ficarei em casa e tá ok, isso passa.” É meio que uma barganha para tentar sair logo de tudo isso. Eu passei por essa fase antes de passar pela raiva.

4- TRISTEZA

“Todos terão diferentes níveis de medo e tristeza e isso se manifesta de maneiras diferentes.”

David Kessler.

Acredito que muitas pessoas, nesse momento, estão passando por essa fase. Ela vem com muita angústia, medo, um futuro incerto, e no meu caso, eu fiquei pensando quando veria minha família de novo, além de me sentir muito sozinha. Muitas coisas passaram pela minha cabeça e aqui eu fiz algo MUITO importante: eu me permiti chorar e sentir tudo o que precisava sentir. Eu chorei por uns 3 dias, em algum momento do dia, começava a chorar e colocava tudo pra fora. Eu não quis compartilhar isso com ninguém próximo à mim para não preocupá-los, mas é importante você se comunicar quando estiver muito mal e não conseguir resolver sozinho. Agora passou e finalmente entrei numa outra fase…

5 – ACEITAÇÃO

Nesse momento, é aqui que me encontro. Eu aprendi a mais do que aceitar, eu aprendi a confiar; confiar na vida, que tudo está acontecendo da única forma que poderia acontecer. Isso não significa que eu não tenha mais dúvidas, isso eu sempre terei, mas eu aceitei os meus sentimentos, aceitei que uma hora vai passar e que talvez, estaremos mais fortes como sociedade depois de tudo isso.
Sei que nem todo mundo entrará nessa fase tão cedo, sei que vivemos realidade diferentes, mas acredite, não é tão simples para ninguém. Não se sinta culpado se você não estiver aqui, faz parte do processo de cada um.

6 – SIGNIFICADO

E o último; o significado, que é quando começamos a ver que algo maior está acontecendo. Muito maior do que podemos enxergar no momento. A natureza está se refazendo, a poluição está diminuindo, estamos notando o quanto é importante estarmos com as pessoas que amamos, presencialmente. Há solidariedade, compaixão, um olhar mais humano para o próximo, mais empático. Estamos vendo que a tecnologia é maravilhosa, mas não substitui o contato humano. Estamos aprendendo muitas coisas e continuaremos aprendendo. Nunca se esqueça de que tudo passa.

O luto está em sonhos que teremos que abrir mão nesse momento, em possíveis perdas, em ver negócios quebrando, em abrir mão da nossa liberdade, em ver a desigualdade aumentando. Mas eu espero do fundo do meu coração que tudo isso traga a tona em nós uma nova consciência social, pois sempre existiram muitos problemas sociais mas nunca olhamos para isso como tem acontecido agora. Talvez o momento seja esse, hora de exercer nossa compaixão, solidariedade, empatia, amorosidade, e até mesmo permitir a nossa mudança interior.

A verdade é que nesse momento, não temos pra onde fugir, temos que encarar quem somos, lidar com nossos familiares ou talvez com a nossa própria companhia, e no fim de tudo, só temos a nós mesmos.

REFERÊNCIAS: https://hbr.org/2020/03/that-discomfort-youre-feeling-is-grief

Beijos, Carol ❤